Contabilidade Ribeiro

Notícias

CIO de quê?

O acrônimo CIO já povoou os sonhos e o imaginário de muitos profissionais de tecnologia da informação

Autor: Marcos SemolaFonte: O Autor

O acrônimo CIO já povoou os sonhos e o imaginário de muitos profissionais de tecnologia da informação. Reconhecido mundialmente e associado ao papel mais alto e estratégico de tecnologia de uma empresa, ele vem sofrendo profundas transformações, principalmente por conta de vetores externos.

Entretanto, na prática, esse título nunca significou de fato a mesma coisa quando se olha para dentro das organizações.

Por definição o CIO ou Chief Information Officer deveria ser o executivo responsável pela estratégia de tecnologia que permeia a organização; responsável por desenhar o futuro e determinar as transformações digitais necessárias para alcança-lo. Ele deveria ter intimidade com o negócio; trabalhar como parceiro e, portanto, lado a lado com o CEO, Chief Executive Officer; bem como direcionar a estrutura E2E (end-to-end) que operacionaliza o funcionamento do negócio com uma visão holística, mas principalmente enxergando a tecnologia como meio e não como fim.

Além disso, deveria também ser dele a responsabilidade pelo planejamento plurianual; o P&L; o estudo de tendências; a construção do roadmap; a priorização de investimentos; o estabelecimento de parcerias e, acima de tudo, ter o papel de atuar como um guardião da estratégia digital não só fazendo-a suportar os planos de negócio, mas também influenciando-os e, por vezes, habilitando oportunidades inovadoras e potencialmente disruptivas.

Mas o mundo dos negócios é um bicho estranho. Ele transforma as pessoas e seus cargos quase que silenciosamente. Quando nos damos conta, o profissional não é mais exatamente aquilo que disseram que ele seria. Ou ainda, o título acaba entrando na equação como moeda de atração para um novo recrutamento externo ou compensação para aquele profissional desmotivado que precisa de motivos para continuar produzindo, mesmo que seu escopo de trabalho não o justifique. Esse bicho estranho é também capaz de dar o mesmo título ou rótulo para pessoas com atribuições substancialmente diferentes, seja pela abrangência hierárquica, geográfica, funcional, técnica e até em virtude do porte e posicionamento da empresa em uma determinada indústria.

Prova disso é tentar reunir profissionais rotulados como CIOs em uma única sala é investigar suas atuações e autoridades. Certamente encontraremos pessoas muito operacionais sentadas sobre um orçamento modesto, mas com liberdade para definir praticamente tudo quanto à adoção da tecnologia. Ao lado dele, talvez encontremos outro indivíduo com orçamento dezenas de vezes maior do que o anterior, mas sem liberdade, de mãos amarradas e apenas gerindo as relações e níveis de serviço dos fornecedores de tecnologia que foram estabelecidos de forma centralizada.

É também provável que encontremos executivos que estejam entre esses dois primeiros, ou seja, com liberdade e autonomia, mas limitados por um escopo geográfico menor; por uma categoria de serviço de TI apenas; ou, se não limitado por estes fatores; por uma atuação puramente tática sem qualquer participação e influência na estratégia. E olha que nem falamos das linhas de report que, por si só, já nos diriam muito mais a respeito.

Definitivamente o acrônimo perdeu sua função. O título de CIO não significa mais nada sem vier acompanhado de um descritivo do que, de fato, compõe as atribuições desse profissional. Na verdade, arrisco dizer que independente das limitações já descritas, se o profissional não for efetivamente responsável por pensar e elaborar a estratégia digital da empresa através de uma visão holística-multidisciplinar e influenciar o negócio trabalhando em parceria com C-Level, ele estará sendo CIO de quê?!

Marcos Semola é professor da IBE-FGV, executivo de TI, especialista em Governança, Risco e Conformidade, escritor, palestrante, VP membro do Conselho de Administração da ISACA e mentor de startups. | https://www.linkedin.com/in/semola/

Últimas Notícias

  • Empresariais
  • Técnicas
  • Estaduais
  • Artigos

Agenda Tributária

Período: Setembro/2017
D S T Q Q S S
     0102
03040506070809
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Cotação Dólar